Criança e Audição

Quais são as escolhas e decisões que poderiam viabilizar as melhores oportunidades de desenvolvimento? Por onde começar, onde encontrar ajuda? A perda auditiva é um problema grave e nem sempre visível, que compromete o desenvolvimento da linguagem, função necessária para a habilidade de fala e da comunicação. Crianças pequenas exigem um cuidado diferenciado quando pensamos no diagnóstico e depois no atendimento, entendido como o processo de seleção, adaptação de aparelhos e terapia fonoaudiológica.

É extremamente cuidadoso o processo de adaptação de aparelhos auditivos em crianças. O profissional dispõe de um conjunto de procedimentos a fim de definir as características da perda auditiva, para então ajustar o aparelho conforme o grau de perda auditiva do bebê ou da criança.

O atendimento é realizado por uma equipe multiprofissional, formada por fonoaudiólogos, médico otorrinolaringologista, pediatra, neurologista e psicólogo.

Avaliação da audição

Existem vários exames que avaliam a audição, o exame mais comum é a audiometria, que pode informar com precisão o tipo e configuração da perda auditiva.

Como a audição pode ser diferente em cada uma das orelhas, estas são testadas de forma separada com fones. Nesta avaliação, tanto a percepção dos sons como o entendimento da fala são avaliados.

Sons da fala

A fala é formada por sons que possuem informação em diferentes frequências e intensidades. Percebemos as vogais e consoantes de uma palavra devido a essa formação.

Quando não existe a lesão no órgão da audição percebemos esses sons de forma natural. Quando existe a perda auditiva, é preciso maior intensidade para ouvir esses sons.

Dependendo do grau da perda, os sons da fala são menos intensos que o nível da audição e não podem ser percebidos, pelo menos quando falados em intensidade natural.

OBSERVAÇÃO: ESTE NÃO É UM TESTE AUDITIVO. PARA FAZER UM TESTE DE AUDIÇÃO, CONSULTE O SEU MÉDICO OTORRINOLARINGOLOGISTA. Esta figura é meramente ilustrativa. Os exemplos sonoros não estão calibrados conforme a intensidade referida no gráfico.

No gráfico acima estão representados os sons da fala (na área cinza) e alguns sons do nosso cotidiano. Na vertical temos a escala de intensidade e os graus de perda auditiva (nível de audição). Na horizontal temos as frequências da amplitude do som, desde graves (125Hz) a agudas (800Hz). Cruzando todas essas informações podemos ter uma ideia do que uma pessoa com determinada perda auditiva consegue ou não ouvir.



Fale com um Fonoaudiólogo

 
Para os Pais Para os Professores Para Profissionais de Saúde Auditiva Conheça o Mundo de Leo